Crônica: Moderna Solidão



Já dizia o poeta brasiliense Renato Russo, a solidão é o mal do século. Eu diria que é o mal da modernidade. A tecnologia levou o homem à lua. Levou o homem a mapear o genoma humano, identificar o DNA, a digital de Deus em nós. No entanto, continuamos cada vez mais solitários, ou o que é pior, cada vez mais mal acompanhados.

As redes sociais podem te proporcionar milhares de "amigos". Amigos virtuais que certamente não estarão a teu lado na hora que você mais precisar. Amigos de longa data, que na verdade você nunca viu, nunca encontrou. Redes sociais em que as pessoas fingem ser felizes, para tentar esconder de si mesmas o quanto são solitárias. E na verdade esses milhares de amigos se resumem a um notebook na tua frente, em plena noite de sábado, sem ninguém pra te fazer companhia.

Mas, você posta coisas legais, e as pessoas curtem, comentam, compartilham. É uma vida "social" muito agitada... para um smartphone. Porque você vai desconectar a rede social e vai se conectar com a silenciosa companhia da solidão do seu quarto escuro, no frio abraço de seu travesseiro. E a tecnologia te permite ficar vinte e quatro horas conectado com o mundo, mas não trouxe soluções para a ausência de calor humano em nossas vidas.

A solidão é cumulativa e, em muitos casos, é vizinha da depressão, que por sua vez é vizinha do alcolismo, que anda de mãos dadas com a rejeição e com a falta de amor próprio. E esse carga psicológica pesadíssima e deletéria, infelizmente pode acabar, nos casos mais graves, em suicídio, que nada mais é que falta de Deus em nossas vidas.

E para fugir da solidão as pessoas enveredam em relacionamentos equivocados, desses achados nos facebooks da vida em que as pessoas mal se conhecem e já vão pra cama, mal vão pra cama e já dizem que se amam. E logo, logo serão dois solitários acompanhados; dormindo na mesma cama sem sequer dizer boa noite, curtindo uma solidão a dois. Sim porque a solidão é um estado de espírito e você pode encontrar-se em meio a uma multidão e sentir-se solitário.

Sejamos mais solidários, assim seremos menos solitários. A solidão pode ser importante na tua vida à medida que te faça refletir, que te faça tomar novas atitudes, boas resoluções. Aproveite seu tempo só para ler um bom livro, para ir a uma Igreja, seja qual for sua fé. Aproveite e faça uma caminhada, cuide de seu corpo. Aprenda a curtir sua própria companhia, divirta-se consigo mesmo. 

Mas, não acostume-se a ficar só. somos animais sociais, precisamos de companhia. Ou interagimos ou enlouquecemos. Não fique muito tempo sozinho ou logo, logo você estará rindo com as paredes, falando sozinho, discutindo com a geladeira, dançando com a vassoura, ou escrevendo para algum blog.


Raimundo Freire.

Comentários

  1. Pena que as relações humanas não tá se evoluindo com a mesma escala da tecnologia virtual.Cada dia essa rotina moderna nos destrói, e nos deixa mas escravizado na solidão.E mas faz perceber o quanto as pessoas dão pouquíssima importância a si mesmo e as outras.A solidão pode doer para qualquer pessoa, mas dói muito mais em que não gosta de si mesmo, quem não se admira, não vê em si mesmo qualidades, quem não percebe seu próprio valor, não se ouve, não aprendeu a se amar e se respeitar.
    Abraços Miz!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Miz por seu comentário. Volte sempre.

      Excluir
  2. Autorizo a reprodução desse texto desde que citado o autor e o site.

    ResponderExcluir
  3. Texto cru e verdadeiro.
    Do que adianta companhias supérfluas que não preenchem um vazia que muitas vezes está na alma?
    òtima reflexão!
    Parabéns, meu amigo!
    Abraços.
    Edhy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado minha querida amiga Edhy, seus comentários são sempre justos e muito bem vindos. Volte sempre e muito!

      Excluir
  4. Quando você não quizer nem rir com as paredes,nem falar sozinho,nem discutir com a geladeira,nem dançar com a vassoura,nem escrever pra algum blog..Vamos caminhar... Um bj

    ResponderExcluir

Postar um comentário