Poesia-Prosa: Espinhos São Flores Que Não deram Certo



No jardim da vida
Flores são flores, o resto é espinho
Frustrados projetos de flor
Que, ainda, não deram certo
Avisos no teu caminho
Cuidado por onde pisas
Secos, pontiagudos, fálicos
Sempre prontos: profundos.

Já as rosas com sua beleza
Convivem com seus próprios espinhos
E não deixam de perfumar
As mãos que as arrancam
Do ventre da natureza
Não as impedem de brilhar
Há quem prefira flores,
Há quem prefira espinhos...

Espinhos e flores são faces da mesma moeda
A dicotomia da vida ali explícita:
Beleza e dor, perfume e agressão
Vitória e derrota, repulsa e paixão
Tudo junto naquele caule paradoxal

Flores aos mortos, flores aos vivos
Flores pra pedir perdão
Flores pra pedir em casamento
Flores dos namorados
Flores dos poetas, aqueles sujeitos
Que transformam palavras em flores
Que traduzem em versos seus amores

Todavia, as flores murcham
Mas não murcham os amores que inspiraram
Não secam as lágrimas que causaram
Lágrimas de emoção incontida, genuína
Lágrimas de dor, lágrimas de amor
Lágrimas de gozo, lágrimas da musa e heroína

São os sábios espinhos que nos lembram
Que há riscos em cortejar uma flor
Que se desejas a rosa há que suportar os espinhos
E que não há gozo sem dor, sem sacrifício
Espinhos são flores que ainda não deram certo
Flores são espinhos que aprenderam com a dor
Espinhos são como aviso: cuidado com essa rosa
Flores são consolação: há beleza apesar dos espinhos
Flores são poemas, espinhos são prosa
Espinhos fomos todos nós, flores  seremos um dia 
E cada dia nós escolhemos: se somos dor ou alegria 
Amados ou odiados, se somos espinhos ou flor.

Raimundo Freire


Comentários

  1. Autorizo a reprodução do texto desde que citado o autor e o site.

    ResponderExcluir
  2. E por falar de flores...°º✿°º✿º° ✿ ;)

    Tenha uma linda manhã querido poetinha!

    flor de cristal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você também flor de cristal, uma linda semana e obrigado pela drumonização!

      Excluir
  3. Flores dos poetas...aquele sujeito que transforma os nossos dias bem melhores que são!
    Transformando os espinhos da vida em flores.
    Nos fazendo acreditar que até nas flores existem a diferença da sorte!
    E que em todos os jardins, em meio as flores, há também muitos espinhos...só precisamos saber como os eliminar.
    E esse poeta é vc Raimundo...
    Amei a poesia!
    Te encontrei no blog da Flor de Cristal essa Flor que eu amo.
    Bjssss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa Célia Lima, como eu fico envaidecido com os teus comentários. Como é bom ver um comentário em forma de poesia, com tanta sutileza, tanta inspiração e sensibilidade.

      Obrigado MESMO, você com certeza é daquelas que se deliciam escrevendo e que derramam seu coração no que escrevem.

      Volte sempre Célia e muito!

      Excluir

Postar um comentário