Crônica - Livro: Ferramenta de Liberdade e de Poder



Livro, amado companheiro de tantas noites mal dormidas, fiel guardião dos sonhos de uma criança que desejava ser alguém, oportunidade de adquirir conhecimento, cultura; ensejo para libertar-se das trevas da ignorância pelas asas da educação, único caminho para libertar-se das grades da pobreza e do desamparo social; livro, bote salva-vidas no oceano de competição em que se transformou a vida moderna.

Mas, afinal de contas, o que seria um livro? Segundo a UNESCO livro é uma "publicação impressa, não periódica, que consta de no mínimo 56 páginas, sem contar as capas". Secamente, um livro seria só isso, um produto industrial. Acontece que não podemos resumir como um amontoado de páginas impressas e numeradas aquela que foi uma das mais revolucionárias invenções da história da humanidade: o livro.

Foi o livro que possibilitou que a cultura, o conhecimento transmitido de geração a geração, chegasse até nós. Desta forma, os fatos históricos, as descobertas científicas, os tratados, os códigos, as leis que regem as sociedades, as poesias de nossos antepassados, puderam ser transmitidos e é através do livro que podemos registrar e legar nossas idéias à posteridade, como bem diz o ditado popular: "quem não escreve, não faz história". E eu acrescento: quem não lê não pode ser autor da própria história.

Todavia, o livro não se restringe a apenas ao registro e transmissão de conhecimento. Sua função precípua é a de ser um instrumento não apenas de formação, mas de transformação através do estudo, da educação. É pela educação que os menos afortunados conseguem melhorar sua qualidade de vida. Foi pela educação que o Japão se transformou em uma potência mundial, após ser arrasado na segunda grande guerra, é através da leitura de bons livros que nos tornamos pessoas melhores.

Livros são repositórios de idéias, de questionamentos, de entretenimento, de emoções, de luz, de educação, de paz. Foram os livros e os ideais neles contidos que fomentaram as revoluções que mudaram o mundo, que soergueram pessoas e nações inteiras. É através dos livros que ainda hoje podemos dialogar com as idéias de Platão, Sócrates, Jesus, Isaac Newton, Shakespeare, Rosseau, Fermat, Lavoisier, Tesla, Da Vinci e tantos outros que revolucionaram a vida como a conhecemos.

Sou obviamente suspeito para escrever esta crônica, pois sempre fui um ratão de biblioteca, sou daqueles viciados em livros, apaixonado pelo cheirinho de livro novo, fico intranquilo se estiver lendo um livro e não souber que tem outro, na fila, esperando para ser devorado. Mas, de uma coisa não duvidem: Livro é acima de tudo uma ferramenta de liberdade e de poder. E você meu caro leitor, está se sentido livre e poderoso? Então responda, quantos livros você já leu este ano?



Raimundo Freire.

Comentários

  1. Excelentes palavras! Somente a educação, transmitida não só pelos livros, mas pelos filmes, pela música, o teatro e todas as formas que a artes e o conhecimento nos alcançam podem ajudar a nos transformar em seres mais críticos, autônomos e entendedores da realidade que nos cerca e nos propiciar ser, como o Sr bem destacou, autores de nossa própria história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por seu comentário Gildson Souza, volte sempre!

      Excluir

Postar um comentário