Prosa Poética: Entra



Entra
Entra sem bater
Entra com sede
Entra com prazer
Entra como uma súplica
Entra com vontade e agora
Entra como se chovesse la fora
Se quiseres entrar docemente, entra
Se quiseres entrar e ficar, entra
Se quiseres entrar loucamente, entra
Entre como o verão, com muito calor
Saia como a primavera atenta
Perfumando meu corpo, sem pudor
Entra com estardalhaço
Entra e me cala com teu abraço
Entra fazendo festa
Entra me olhando nos olhos
Entra sem nehuma aresta
Entra sem bater
Entra sem fazer cerimônia
Esta porta só abre pra você
Não precisa nem de arrodeio
Vem e entra sem receio
Se demore, faça festa sem fim
Entra, mas entra em mim.

Raimundo Salgado Freire Júnior


Comentários